Home Blog

Filtro BeCare no combate ao Covid-19 (Coronavírus)

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto uma emergência de saúde pública internacional, devido a gravidade epidemiológica. Desde de dezembro de 2019 ouvimos sobre o coronavírus, doença identificada pela primeira vez na cidade de Wuhan, China. A doença causa sintomas semelhantes aos da gripe, entre os quais febre, tosse, falta de ar, dores musculares e fadiga...

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto uma emergência de saúde pública internacional, devido a gravidade epidemiológica.

Desde de dezembro de 2019 ouvimos sobre o coronavírus, doença identificada pela primeira vez na cidade de Wuhan, China. A doença causa sintomas semelhantes aos da gripe, entre os quais febre, tosse, falta de ar, dores musculares e fadiga, podendo evoluir com possíveis complicações dentre elas pneumonia, síndrome do desconforto respiratório agudo, sepse, choque séptico e morte.

Os coronavírus (CoV) são uma grande família viral, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Alguns coronavírus podem causar síndromes respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda grave que ficou conhecida pela sigla SARS da síndrome em inglês “Severe Acute Respiratory Syndrome” – SARS-CoV e síndrome respiratória do Oriente Médio, cuja sigla é MERS, do inglês “Middle East Respiratory Syndrome” – MERS-CoV

O novo vírus foi denominado COVID19, (do inglês Coronavirus Disease 2019), doença infeciosa causada pelo Coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave 2 (SARS-CoV-2), a transmissão mais comum entre pessoas é através de gotículas produzidas por espirros, tosse ou exalação ou contato físico com área contaminadas e, a fase contagiosa dá -se entre 2 a 14 dias após a exposição ao vírus.

O Brasil avalia o risco do novo Coronavírus e seu impacto para a saúde pública, deste modo, para o momento os esforços estão destinados à fase de contenção. Por isso, todas as ações e medidas são adotadas para identificar oportunamente e evitar a dispersão do vírus, ou seja, as estratégias devem ser voltadas para evitar que o vírus seja transmitido de pessoa a pessoa, de modo sustentado.

Nesta fase a orientação da ANVISA, é seguir as seguintes precauções (para gotículas e contato) durante a assistência aos pacientes suspeitos ou confirmados:

  1. Higiene constante das mãos;
  2. Higiene das superfícies;
  3. Uso de máscaras, gorros, luvas e aventais;

Segundo artigo publicado pelo The Lancet, a maioria dos pacientes apresenta sintomas leves e bom prognóstico, entretanto aqueles que possuíam comorbidades resultaram em doenças respiratórias graves e até fatais, como a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).

De acordo com o estudo, o vírus possui diâmetro entre 0,05 e 0,2 µm e estão mais suscetíveis à um mal prognóstico pacientes idosos, com doenças crônicas, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, doenças do sistema endócrino, doenças do aparelho digestivo, doenças do sistema respiratório, doenças do sistema imunológico, tumor maligno, doenças do sistema nervoso e histórico de tabagismo.

A identificação precoce e o tratamento oportuno de casos críticos são de suma importância, para evitar a progressão da SDRA, choque séptico e falência de múltiplos órgãos. O tratamento medicamentoso inclui antibióticos e antivirais, não existindo ainda, vacinas para o Covid 19, já nos casos mais graves, o intervalo entre o início dos sintomas e o uso da respiração assistida por ventilador mecânico pode variar de 3 e 10 dias.

Pacientes que necessitem utilizar suporte ventilatório invasivo devem ter implementado os cuidados de precauções para aerossóis, neste caso é crucial a utilização de um filtro que atue como barreira microbiológica para bactérias e vírus.

A razão pela qual dá – se esta recomendação é o alto risco de infecções nosocomiais, sabidamente é reconhecido a capacidade de troca de calor e umidade assim como a atuação de barreira desempenhada pelos filtros HME e HEPA, entretanto para que se tenha total segurança, a eficácia e eficiência de filtragem deve ser confirmada.

Os filtros HME e HEPA da BeCare possuem, em suas membranas, poros de filtragem de 0,02 µm com atuação de filtragem eletrostática ou mecânica, capazes de bloquear com total segurança o Covid 19, o que pode ser comprovado através da Certificação de Filtragem para Bactérias (BFE) de 99,99999% e Certificação de Filtragem para Vírus (VFE) de 99,99998%.

Filtro HME BeCare
Membrana filtrante: Hidrofóbica
Material filtrante: Algodão eletrostático
Tipo de filtragem: Eletrostática
BFE: 99,99999%
VFE: 99,99998%

 

Filtro HEPA BeCare
Membrana filtrante: Hidrofóbica
Material filtrante: Fibra de vidro/cerâmica
Área de filtragem: 48.880 mm²
Tipo de filtragem: Mecânica
BFE: 99,99999%
VFE: 99,99998%

 

Fontes
Saude.sp.gov.br2 / Thelancet.com / Anvisa.gov.br

Blog Leia matérias interessante na nossa News.